quinta-feira, 30 de julho de 2009

Contando uma estória...

Ela checou seu orkut e achou algo diferente. Havia um convite para adicionar ele como amigo. Ela foi conferir o orkut dele, gostou do que viu e adicionou-o.
Ele, galanteador, tratou logo de sair na frente elogiando-a, mas de forma inteligente (claro, ele sabia do que uma mulher inteligente gostava de ouvir, ou ler). Ela, prontamente agradeceu, deixando no ar um certo mistério. Ele, como bom conquistador, sentindo-se desafiado, tratou logo de pedir msn, celular e qualquer outro meio de comunicação dela. Sim, seus planos eram de desvendá-la. Queria senti-la perto, presente. E, aquele famoso jogo de sedução começou.
Ela se questionava: “Será mais uma dessas atiradas virtuais?”
Ele também se questionava: “Será que ela é mesmo tão linda quanto parece?”
As conversas se intensificaram. À noite, chegavam em casa e ambos corriam para seus laptops e a conversa entrava madrugada a dentro. Nem sempre, mas entravam. Conversavam sobre tudo. Um encontrava no outro, afinidades. As expectativas estavam aumentando.
Eles eram de cidades diferentes. De estados diferentes. Havia uma pequena distância entre eles. Eles falavam em encarar uma possível relação à distância. Afinal, não existe distância quando se ama. Clichê, mas é uma verdade. Ele ainda não sabia se estava pronto pra isso ou não. Saíra de um relacionamento sério havia pouquíssimo tempo. As feridas ainda não estavam cicatrizadas. Mas ela o encantava, cada dia, um pouco mais. Ele estava certo de que a queria. E ele, com todo aquele jogo, a seduzia a cada dia mais .
Eram românticos, então se entendiam muito bem. Ele sempre a surpreendia, com pequenas coisas, pequenos mimos que são possíveis mesmo a distância. Ela o compreendia, o aninhava e retribuía o afeto recebido. Sem cobranças.
Os laços já estavam se criando, pensava ele.
Decidiram trazer todo esse turbilhão de sentimentos para a vida real. Ela insistia demais nisso. Marcaram a data. Escolheram o lugar, ele fez reservas. Fizeram planos pra depois de se conhecerem.
Mas aí, ele precisou viajar. Imprevistos no trabalho ocasionaram o adiamento do tão esperado dia. Ela compreendeu.
Ele precisou ficar mais do que esperava. Ela novamente o compreendeu.
Ele retornou. Ela notou algo diferente nele. Perspicaz, ela já sabia que reservas não haviam sido feitas. Ele a chamou pra conversar, no msn mesmo. Disse que não estava pronto pra viver uma história com ela. Ela o compreendeu, pela última vez. Depois disso, ele sumiu.
E ela?? Bom, ela já sabia onde isso tudo iria parar. Reconhecia esse cara típico a quilômetros de distância. Ela só precisava dar linha para ele mesmo se sufocar. E foi o que fez.
* Essa estória, contém fatos reais e fictícios... Resolvi postá-la pois ela tem um alerta implícito... Captaram??!?!?

3 comentários:

Dirce disse...

Ahhhhhhhh...não acredito,que cara idiota. Gente, como tem homem idiota nesse mundo, se eles tivessem que pagar imposto por cada idiotice desse tipo, o país tava trilhardário...que saco

Nina disse...

kkkkkkkkk ai amiga tem rir, a maior burrice de um homem é menosprezar a inteligência de uma mulher...realmente inteligente

Anônimo disse...

Esse cara não foi idiota. Foi BURRO! Foi burro em não saber que namoros virtuais são muito complicados, que é preciso paciência, perseverança, sinceridade e confiança. Deveria ter prometido a visita somente quando tivesse CERTEZA de que poderia visita-la e dizer que tinha feito as reservas apenas depois de ter feito! Mentira e namoro NÃO COMBINAM! fikdik