quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Gueixas....


"A auto estima reduzida, companheira da insegurança e do medo, nos indicara muitas escolhas erradas na juventude. A muitas de nós aprisionava ainda agora num padrão fadado a causar mal estar no mabiente familiar, e um constante sofrimento pessoal.
Se nos valorizamos pouco não só tendemos a manter as coisas como estão (ruim o que conheço, pior o que ignoro) , mas tomamos ou não tomamos decisões por medo. Medo da solidão, de sermos incapazes de decidir sozinhas, medo da opinião dos outros, medo.
Quem se subestima precisa de alguém ao lado para confirmar sua validade como pessoa
Nessa situação não se dialoga, pois o equilíbrio da balança está demais prejudicado.  É supreendente a dificuldade de mulheres, mesmo competentes, para se sentirem justificadas, validadas por si sós.
'Não me sinto inteira sem um companheiro, sem poder ao menos pensar e dizer 'eu tenho alguém', disse-me uma advogada.
Também nas mulheres bem sucedidas pessoal ou profissionalmente vive aquela que tem medo de ficar sozinha, que viceja melhor à sombra do outro e considera sua verdadeira vocação a de servir, de agradar, de providenciar: a gueixa.
Essa que resiste a todas as inovações e conquistas de nosso tempo.
'Homem gosta de mulher que não sabe escolher no cardápio ou finge que não sabe e deixa ele decidir", disse-me uma jovem numa fase (passageira) de desilusão. Mas quem sabe nós é que não somos muito boas em escolher o companheiro, mesmo de um jantar? E quem disse que um homem com esse gosto saberá nos valorizar,portanto será que ele nos interessaria?
Cuidado: o homem apreciador da gueixa de falinha infantil e prato preferido dele sempre à espera pode ser másculo e prepotente, mas corre o rsico de tornar-se um enuco- nas emoções, que ficarão muito limitadas."
(Lya Luft ,extraído do livro Perdas e Ganhos)

Bom uma mulher sábia e experiente nos dizer palavras como estas.....

10 comentários:

Desabafando disse...

Muitooooo bom esse texto, não conhecia mas me identifiquei em alguns pontos. A frase que você colocou em negrito mexeu muito comigo, muito mesmo, porque na minha fase de auto estima baixa (durante a adolescência) era exatamente assim que eu funcionava.

Nina disse...

Querida Dri!!!
Gosto do cliche "Antes só que mal acompanhada", é incrível como muitas mulheres se sujeitam a compartilhar a vida com qualquer um, ao invés de permanecerem sozinhas.
Sou gueixa sim mas em outra seara kkkk
Com meu jeito autoritário fica dificíl não escolher meu próprio jantar kkk
Bjokas

Namorada Girassol disse...

Dear...

Sempre é bom refletir sobre os dois lados da moeda...
O amor próprio sempre é o "melhor" amor!

Bjks...

Déia disse...

É, eu não consigo fazer tipinho de dependente!
Mas tenho certeza que a independecia assusta os homens!
Eles gostam daquela delicadeza, dakele nhem nhem... rs

Mas pra quem se vira, paga as contas, trabalha, dirige.. as vezes é difícil...

Por isso temos que "endurecer, mas sem perder a ternura!" bj

Gislãne disse...

"Quem se subestima precisa de alguém ao lado para confirmar sua validade como pessoa. '
uma das partes do livro que mais gosto

Ju disse...

Muito bom o texto. É realmente assim que acontece... vejo casos e casos assim!
Pena!
Bjo

Francisco disse...

Oi Dri!!
Fazendo o comentário hoje, de passagem aqui pela sua cidade! rsrs
A Lya Luft aborda essas questões sempre de maneira perfeita. "Gueixas" é talvez um dos trechos do livro que melhor definem a falta de auto-estima, não só das mulheres, como de alguns homens também.
Discordo da Déia, quando ela diz que os homens se assustam com a independencia das mulheres. Talvez alguns "ogros" ainda pensem assim. rsrs
Além da falta de auto-estima, existe também aspectos culturais, étnicos e de educação que fazem com que as pessoas sejam (ou finjam ser) submissas. Sei lá!! rsrs
Beijãozão! (Cisco, falando direto do planalto médio para o C´Est La Vie!...É com vc Bonner! rsrs)

Dani disse...

Querida Driii, precisamos de alguém sim, mas melhor só do que mal acompanhada...

Debor@h disse...

Muitas vezes deixamos de fazer certas coisas e tomar decisões por medo. O medo nos impede de seguir em frente, as vezes temos medo de nós mesmo e aí fica difícil né. Eu tenho muitos momentos baixos e altos, como toda pessoa normal (acho) haha mas nunca devemos deixar de lutar e confiar em nós, pois não existe ninguém igual, todos somos diferentes e especiais. Eu não poderia ser dependente de alguém, gosto de ter as minhas coisas compradas com o meu dinheiro (ou receber presentes hahah, quanto mais receber ordens de homem mandando em mim! Viva a liberdade! Nossaaa, escrevi muuito, desculpa haha Beijão!

Gislene disse...

OI, DRIII
MULHER É SENSÍVEL...
MAS, QUANDO QUER, TEM UMA FORÇA GIGANTE DENTRO DE SI, CAPAZ DE MOVER TODAS AS COISAS...
ESTES MOMENTOS "DOWM", PASSAM COM CERTEZA...
COM APOIO MASCULINO OU NÃO, DAMOS A VOLTA POR CIMA, SEMPRE, POIS SOMOS ESPECIAIS...
BEIJOS,
GISLENE.