quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Interpretações equivocadas...


Deixa compartihar uma coisinha com vocês...
Hoje assisti a um julgamento de um recurso num processo originado de uma interpretação equivocada.
Equívoco dá lugar a várias interpretações, óbvio. É ambíguo, duvidoso.
Pois bem, saí do julgamento pensando nas situações que a vida nos oferta e que dá margens à várias interpretações, inclusive as equivocadas. 
Lembrei de um relacioanamento que vivi, onde imperavam interpretações equivocadas, de ambos os lados. Relacionamento difícil. Por óbvio, ele se desintegrou com o tempo.
Lembrei de situações corriqueiras de trabalho que me levaram a caminhos tortuosos e, reforcei a tese de um dos julgadores na minha mente: erroneamente criamos suposições sem nos darmos conta de que estamos equivocados.
E não é que isso faz sentido?!?!
Aí, comecei a me dar conta do tempo que perdi tentando me convencer de que, embora equivocada, aquela era a melhor coisa a se fazer, ou aquele era melhor  caminho a seguir, aquele era o melhor posicionamento a ser adotado... 
Teria sido tudo muito mais fácil e mais leve, se não houvessem todas essas tais "interpretações equivocadas". 
Vivendo e aprendendo, meus caros...
 
    


9 comentários:

Desabafando disse...

vc tem toda razão...o complicado é aprender a nos policiarmos para evitar esses mal entendidos não? Eu mesma acho que agi assim no meu post sobre uso de máscaras e teatro..rsrsrs..."erroneamente criamos suposições sem nos darmos conta de que estamos equivocados." (no meu caso, não havia parado pra pensar que o ator poderia fazer as escolhas dele e que eu nunca saberia o que se passa em seu coração). E afinal, tudo depende do nosso ponto de vista não?

Lucas Tiago disse...

Exatamente. É preciso ter provas para poder condenar. Se houver erro mesmo, as pessoas podem acabar se entregando, como os mentirosos que se enrolam tanto a ponto de confessar. Mas não espere que as pessoas confessem seus erros, elas são espertas...

leo disse...

Profissionalmente, como advogado, tb já estive em julgamento movido por equivocadas interpretações. Mas, não em uma única e solitária situação, tbm em minha vida pessoal estive, pelo mesmo motivo, duplamente no "banco dos réus" e também como "a parte autora". E tu estás correta em tuas interpretações (nada equivocadas). Quando nos fazemos valer de equívocos, os relacionamentos tendem a se esmoecer, como máxima condenatória. A sentença é certa, mas somos nós a darmos o veredicto.
Abraços nada equivocados!

Francisco disse...

Oi minha amiga!
Algumas interpretações equivocadas, pode ser esclarecidas, quando são originadas de um equívoco real. Pior são aquelas propositais, que de equivocadas não têm nada, e que nos fazem incorrer em erro. Mas...! C´est La Vie! Não é? rsrs
Saudade de vc, minha "Doutora Honoris Causa" predileta! rsrs
N. Termos
P. Deferimento... e mando um Beijãozão!

Myÿ h disse...

Seria mesmo mais fácil, mas quem disse que a vida é facil não é mesmo?
E como aprenderíamos senão com nossos próprios erros? :)

:*

Will disse...

É meio chato quando condenamos alguem sem saber como essa pessoas realmente é...
Obg pela visata e por seguir.
fico Feliz qe tenho ido lá...

Déia disse...

Com certeza!!

Por isso, decisões precipitadas devem ser evitadas... devemos, parar, pensar, nos afastar antes de darmos o veredito rs

bj

Dani disse...

é isso mesmo amiga...e a gente consegue controlar os nossos pensamentos???e principalmente quando nos deparamos com "e se..."
e seu tivesse feito isso ou e se eu não fizesse aquilo...
Mas como eui sempre digo, o impulso é maior que tudo...patient...

beijos na alma....

Aninha Leme disse...

oi Dri
vc tem razão. mas como saber se não tentamos? quer dizer, muitas vezes, tiramos uma conclusão precipitada, mas no meu caso, por exemplo, em 90% dos casos eu confirmo a minha impressão anterior.
eu acho que conclusões precipitadas podem ser nosso Sexto Sentido. vc não acha?

besosssss